Um ano após conquista sanitária, Paraná reúne mais condições para crescer, diz governador - Cantu em Foco - As principais notícias da região, você encontra aqui no Cantu em Foco

URGENTE

Um ano após conquista sanitária, Paraná reúne mais condições para crescer, diz governador


 O Paraná celebra seu primeiro ano como área livre de febre aftosa sem vacinação com todas as condições reunidas para ampliar a competitividade no mercado internacional de proteína animal. A afirmação foi feita nesta terça-feira (31) pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior durante uma cerimônia, no Palácio Iguaçu, que marcou um ano da certificação concedida pela Organização Internacional de Saúde Animal (OIE), em 27 de maio de 2021.


“Foi a maior conquista do agronegócio paranaense nos últimos 100 anos. Desde 1958 o Paraná buscava essa certificação, um selo de qualidade e sanidade animal que permite acessar países, principalmente na Ásia, que não compravam a carne do Estado por causa da vacinação”, disse Ratinho Junior. “Mais do que um grande produtor de alimentos, queremos ser o supermercado do mundo para industrializar tudo o que produzimos. Fazer com que a matéria-prima passe pela indústria e chegue ao exterior embalada e congelada”.


Além do status sanitário, conquistado com a ampliação da vigilância e defesa sanitária, principalmente após a criação da Agência e Defesa Sanitária do Paraná (Adapar), outros fatores tornam pecuária paranaense cada vez mais competitiva. O Estado é o maior produtor de proteína animal do País, com a produção de 6,213 milhões de toneladas de carnes bovina, suína e de frango no ano passado.


Mais de 2 milhões de toneladas de produtos de origem animal foram exportadas pelo Paraná em 2021, incluindo lácteos e pescados, o que somou US$ 3,4 bilhões (R$ 16,2 bilhões na cotação atual) na balança comercial, de acordo com as estatísticas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.


“Isso é fruto de um trabalho estratégico que vem do passado, mas que também inclui muito o olhar do nosso governo para consolidar o Paraná no mercado internacional de alimentação”, salientou o governador. “Essa conquista, que atende todo o agronegócio do Paraná, abre um mercado gigantesco, de bilhões de dólares, que reflete na geração de emprego e na atração de investimentos de agroindústrias que querem se instalar no Paraná”.

INVESTIMENTOS – Para isso, destacou Ratinho Junior, o Estado investe em áreas estratégicas para a produção do campo, com forte destaque para a infraestrutura e na agilidade dos processos de licenciamento ambiental em propriedades rurais, por meio do programa Descomplica Rural.


Na melhoria da infraestrutura rural estão programas como o Paraná Trifásico, da Copel, que está instalando 25 mil quilômetros de redes trifásicas no campo, beneficiando agroindústrias, granjas e outros empreendimentos que precisam de um reforço no sistema. O Governo do Estado também investe R$ 304 milhões para a pavimentação de 1.000 quilômetros de estradas rurais em 202 municípios.


Na outra ponta, os investimentos para melhorar a eficiência do Porto de Paranaguá e o projeto da Nova Ferroeste, estrada de ferro ligando a cidade de Maracaju (MS) ao litoral paranaense, garantem mais agilidade para levar a produção ao mercado internacional.

ABERTURA DE MERCADOS – O secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, afirmou que com a quantidade de produção, qualidade e sanidade reconhecidas, o Estado busca agora exercitar a habilidade comercial para fincar a bandeira paranaense no mercado mundial.


“Este último ano foi de construção de oportunidades. Todo o esforço feito pela sociedade paranaense ao longo de décadas foi para obter uma perninha para o nosso processo de internacionalização da nossa produção”, disse.


“O nosso desafio era mostrar uma cara limpa para o mundo, mostrar que o ambiente de produção está resolvido para peste suína clássica e para aftosa. Isso é um baita passaporte para o mundo”, ressaltou. “Esse reconhecimento beneficia a exportação do frango, peixe congelado e outros produtos, como os lácteos, com vista aos mercados mexicano, sul-coreano, japonês e tantos outros do Leste Asiático”.

VIGILÂNCIA – A manutenção do status sanitário depende de uma atenção constante no sistema de vigilância dos rebanhos, trabalho feito pela Adapar através do monitoramento de animais, mas que conta com a participação também dos produtos, com a atualização cadastral dos plantéis.


Para reforçar essa estrutura, o Governo do Estado nomeou novos profissionais para trabalhar na agência e também anunciou a abertura de um processo seletivo para a contratação de técnicos agrícolas.


“Deixamos o amuleto da vacina e passamos a ter a vigilância com ponto focal. Teremos mais profissionais cuidando de nossas fronteiras e grandes investimentos na agroindústria, especialmente na área da suinocultura”, afirmou o diretor-presidente da Adapar, Otamir Cesar Martins. “Isso mostra que esse selo não é só para pôr na parede, mas para vender os produtos do Paraná para o mundo. E fazendo constantemente a vigilância, vamos ter oportunidade de vender melhor”.


Segundo ele, a fiscalização inclui tanto o trânsito interestaduais de animais, como o monitoramento das áreas de fronteira. “Estamos neste momento com uma operação na fronteira, que é a área mais vulnerável hoje pelos estudos da epidemiologia, para a não entrada de animais irregulares”, explicou Martins. “Temos todos os postos de fiscalização do chamado Arco Norte, entre o Mato Grosso do Sul e São Paulo, dois estados que ainda vacinam os rebanho, para que não entrem animais vacinados no Paraná”.

SETOR PRODUTIVO – A competitividade da pecuária paranaense abre espaço para investimentos das cadeias de produção de carne e outros alimentos de origem animal. Um exemplo são as cooperativas agroindustriais, que preveem investir cerca de R$ 4,2 bilhões neste ano, sendo R$ 700 milhões somente no abate de suínos.


“A certificação já está trazendo reflexos nas relações comerciais. De nada serviria tanto esforço para conquistar o selo de área livre de aftosa sem vacinação se não fosse para compactuar novos negócios”, afirmou o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken. “Estamos ampliando nossa relação com o mercado porque temos que nos pautar pela demanda”.


As indústrias do setor também estão ampliando sua participação no Paraná. Em Laranjeiras do Sul, na região central do Estado, a empresa Agro Laranjeiras está investindo R$ 377 milhões para a implantação de uma unidade de leitões, com a expectativa de gerar até mil empregos.


“Vamos produzir até 20 mil leitões por semana para atender as indústrias estabelecidas no Paraná. Viemos para cá porque é o estado que mais cresce e que teve o maior salto tecnológico na suinocultura no Brasil”, afirmou Jorge Munari, acionista e desenvolvedor do projeto. “Ao atingir a qualidade sanitária e manter um sistema sólido de vigilância, isso só tende a crescer”.


PRESENÇAS – Participaram da solenidade os secretários estaduais do Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas, Augustinho Zucchi; e do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Everton Souza; os presidentes do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná), Natalino Avance de Souza; da Ceasa-PR, Éder Bublitz; da Faep, Ágide Meneguette; do Tecpar, Jorge Callado; da cooperativa Witmarsum, Artur Sawatzky; da Associação Paranaense de Suinocultores, Jacir José Dariva; da Associação dos Médicos Veterinários, Cezar Amin Pasqualin; da Associação Paranaense de Criadores de Gado Holandês, João Guilherme Brenner; os superintendente de Relações Institucionais, Fabiano Lazarino Antunes; e de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Bona; superintendente estadual do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Cleber Oliveira Soares; e os deputados estaduais Anibelli Neto, Doutor Batista, Guto Silva, Márcio Nunes, Tiago Amaral, Jonas Guimarães e Wilmar Reichemback.

AEN