IAT propõe gestão compartilhada de unidade de conservação com comunidade indígena - Cantu em Foco - As principais notícias da região, você encontra aqui no Cantu em Foco

URGENTE

IAT propõe gestão compartilhada de unidade de conservação com comunidade indígena


 O Instituto Água e Terra (IAT) entrega nesta sexta-feira (18) ao Instituto Angelo Kretã documento com a proposta de compartilhar a gestão da Floresta Estadual Metropolitana, localizada em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, com uma comunidade indígena. É a primeira vez que o IAT propõe um acordo de cogestão de unidade de conservação com uma entidade da sociedade civil.


Será entregue a minuta de termo de acordo de cooperação técnica para a cogestão e promoção de ações de educação ambiental na unidade de conservação. A iniciativa faz parte do acordo firmado com a comunidade indígena que ocupa as dependências da floresta atualmente. A proposta será analisada pela comunidade para depois ser oficializada.

IMPORTÂNCIA - O acordo de cooperação técnica é previsto no artigo 30 da Lei Federal nº 9985/2000. O objetivo é promover o desenvolvimento de ações de preservação e educação ambiental. “Será a primeira vez que uma gestão compartilhada de unidade de conservação é realizada dessa maneira, com a sociedade civil, representada pelo Instituto Angelo Kretã", diz o diretor-presidente do IAT, Everton Souza.


“É preciso destacar a importância desse fato, pois as ações de preservação serão feitas com conhecimento e com o objetivo comum entre o Estado e a comunidade indígena. É importante envolver a comunidade, em especial populações tradicionais, na preservação e no reflorestamento do local”, enfatiza Souza.


A iniciativa começou a ser discutida em agosto do ano passado, data em que a comunidade das etnias Kaingangue e Guaraní-nhandewa, formada por 25 pessoas atualmente – incluindo uma gestante –, ocupou parte do terreno da Floresta Estadual Metropolitana.

APOIO – Além da entrega da minuta do termo de acordo de cooperação técnica, o Instituto Água e Terra acolheu a comunidade indígena nas dependências da UC que não eram utilizadas: o anfiteatro e o receptivo. “Quando eles ocuparam a parte sul da área da floresta, estavam alojados em barracas com lonas improvisadas e sem infraestrutura básica, como água potável e sanitários. Nossa ação imediata foi proporcionar melhor qualidade de vida a eles”, explica o diretor de Políticas Ambientais da Secretaria, Rafael Andreguetto.


“Ocupamos ali por um sonho e um projeto. Não foi com a intenção de mostrar que somos melhores, sempre tivemos um objetivo de virar uma referência no cuidado com o meio ambiente, e o Paraná tem esse histórico de sempre fazer coisas diferentes”, afirmou Eloy Jacintho, representante da comunidade.


INTERCÂMBIO - A permanência dos indígenas no local atende também o estabelecido no Sistema Nacional de Unidade de Conservação (SNUC), em relação a abrigar populações tradicionais.


Essa iniciativa vai beneficiar a comunidade indígena, que terá um local para viver de acordo com sua cultura, e a Unidade de Conservação, que terá sua vegetação natural regenerada, além de ser um local de adequado para a educação ambiental.

HISTÓRICO - A Floresta Estadual Metropolitana é uma Unidade de Conservação de uso sustentável desde 1988, quando obteve o seu Plano de Manejo, e está próxima à área urbana, no limite com a ferrovia Curitiba-Paranaguá, cortada pelo Contorno Leste.


A história da área foi marcada pelo intenso extrativismo florestal. O local pertencia anteriormente à extinta Rede Ferroviária Federal, que a utilizava para plantio de eucalipto, cuja madeira abastecia as antigas locomotivas a vapor.


Juntamente com o apoio de moradia, o IAT está auxiliando a comunidade a reflorestar a UC com árvores nativas, em substituição à vegetação exótica plantada pela antiga concessionária que administrava a ferrovia, aumentando assim a cobertura de vegetação da Mata Atlântica no Paraná.

VIVEIRO - As mudas plantadas são destinadas pelo IAT, através dos viveiros florestais. Ao todo, o Paraná possui 19 viveiros pelo Estado capazes de produzir cerca de 3 milhões de mudas nativas, de mais de 100 espécies ao ano, entre elas árvores ameaçadas de extinção, como peroba-rosa, imbuia e araucária.


Nesta sexta-feira e sábado (18 e 19), haverá no local uma ação de plantio das mudas nativas do IAT e também doadas por outras instituições.

AEN