Cerimônia apresenta novos conselheiros do Crea-PR - Cantu em Foco - As principais notícias da região, você encontra aqui no Cantu em Foco

URGENTE

Cerimônia apresenta novos conselheiros do Crea-PR

 Regional de Guarapuava terá representante da Associação dos Engenheiros Agrônomos da Região de Irati. No total, quarenta e seis profissionais tomam posse como conselheiros que representam Entidades de Classe e Instituições de Ensino em todo o estado

O Engenheiro Agrônomo, Clayton Corrêa de Almeida, representou todos os novos conselheiros em uma assinatura simbólica 

Foram empossados nesta quarta-feira (19), na cerimônia de renovação do terço, os novos conselheiros que vão compor o Plenário e Câmaras Especializadas do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR). O evento aconteceu na sede do Instituto de Engenharia do Paraná (IEP), em Curitiba.

Com a renovação do terço assumem 46 novos conselheiros, sendo 18 representantes de Instituições de Ensino e 28 de Entidades de Classe. Conforme explica o coordenador-adjunto da Comissão de Renovação do Terço de 2021, engenheiro mecânico Ricardo Vidinich, a cerimônia acontece anualmente e “oxigena”, atualiza e moderniza o Conselho. O mandato de conselheiro do Crea-PR é de três anos, podendo ser renovado uma vez pelo mesmo período. Após findar o prazo, a vaga deve ser cedida obrigatoriamente a outro profissional.

“É uma iniciativa saudável para manter o Crea-PR atuante e ainda mais próximo dos profissionais”, considera o engenheiro Ricardo.  O quadro de conselheiros é composto por 143 profissionais, sendo que a novidade, neste ano, foi a criação de três novas vagas indicadas pelas Entidades de Classe, passando de 99 para 102. Já as Instituições de Ensino contam com 41 conselheiros atuando no Crea-PR.

O cargo de conselheiro é considerado honorífico, por isso não há remuneração. Ao final do mandato de três anos, os conselheiros recebem uma titulação que comprova a atuação. “Nos últimos dois anos, com a pandemia da Covid-19, as reuniões foram executadas à distância. Estamos retomando gradativamente os encontros presenciais, mas quem não puder comparecer por motivo de força maior, pode participar de forma virtual pois as reuniões são híbridas”, comenta o engenheiro.

A composição do Conselho do Crea-PR é baseada no número de profissionais registrados e que estão em dia com suas obrigações. Foram utilizados como base os números de 31/12/2020, ocasião em que estavam registrados 42.733 profissionais. Sendo que 42,4% dos conselheiros são profissionais da modalidade da Engenharia Civil, 22,9% da modalidade da Agronomia, 15,1% da Engenharia Elétrica, 11,9% da Engenharia Mecânica, 3,5% da Engenharia Química, 1,7% da modalidade de Segurança do Trabalho, 1,2% da Agrimensura e 1,1% de Geologia.

Para o e engenheiro agrônomo Clayton Corrêa de Almeida - que representa a Associação dos Engenheiros Agrônomos do Vale do Piquiri (AEAVP), com sede em Ubiratã - a expectativa de assumir como conselheiro do Crea-PR é de responsabilidade. “Juntamente com os demais conselheiros espero lutar pela classe tanto na Câmara de Especializada de Agronomia quanto no Plenário, com o intuito de fortalecer e prosperar a classe agronômica”, pontua.

O engenheiro civil Leandro Vanalli, que já atuou como conselheiro do Crea-PR representando a Universidade Estadual de Maringá (UEM), volta ao cargo representando, desta vez, a Associação dos Engenheiros e Arquitetos do Noroeste do Paraná (AEANOPAR). “A renovação do terço é um mecanismo interessante para “oxigenar” as lideranças e para que os debates sejam sempre ricos de opiniões distintas. Além disso, permite a representatividade de todas as engenharias. “Como professor e profissional é muito gratificante participar como conselheiro e contribuir nos debates”, comenta.

REGIONAL DE GUARAPUAVA

 A Engenheira Agrônoma, Adriana Baumel, iniciará um novo mandato como Conselheira Regional pela Associação dos Engenheiros Agrônomos da Região de Irati. “O papel do Conselheiro é importante para levar as demandas dos profissionais representados e, também, colaborar com o Conselho na análise de processos da fiscalização do exercício da profissão em defesa da sociedade e pela valorização profissional. Acredito que o maior desafio para desempenhar a função é buscar o conhecimento da legislação do Sistema e atuar de forma cooperativa com as demandas da Câmara Especializada, Plenário e Comissões que participa”, enfatiza a engenheira.