A força do profissional da Engenharia no desenvolvimento do Centro Sul do Paraná - Cantu em Foco - As principais notícias da região, você encontra aqui no Cantu em Foco

URGENTE

A força do profissional da Engenharia no desenvolvimento do Centro Sul do Paraná

 Na semana que celebra o Dia Nacional do Engenheiro, dados do Caged apontam crescimento em setores econômicos com forte presença dos profissionais da Engenharia

 

            


A região Centro Sul do Paraná é conhecida pela força em setores econômicos específicos como a agropecuária e, Guarapuava, cidade polo regional, de forma mais recente, tem se destacado também pelo crescimento em áreas como a indústria e construção. Conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), estes setores apresentam saldos positivos na geração de empregos em 2021 e crescimento na variação relativa ao ano anterior. O setor industrial, por exemplo, contabiliza em 2021 um saldo positivo de 935 postos de trabalho, com uma variação relativa (referência aos estoques do mês atual e do mesmo mês do ano anterior) de 12, 19%. Já o ramo da construção tem como saldo 724 contratações e uma variação relativa de 39,98%, a maior de todos os ramos de crescimento empregatício de Guarapuava em 2021.

             Como consequência direta da empregabilidade está o o crescimento da renda e do desenvolvimento local, formando assim um cenário de potência econômica e trabalhista. Em comum, essas áreas possuem alguns profissionais que ocupam funções que ultrapassam o universo da técnica, se tornando determinantemente essenciais para o desenvolvimento pleno, em alto nível, com qualidade à altura da potencialidade regional. São os engenheiros e engenheiras que estão fortemente inseridos no dia-a-dia do crescimento dos municípios da região, através de um trabalho preciso que une a técnica à prática atual e dinâmica do mercado.

Se a construção, agropecuária e a indústria são setores de grande desenvolvimento local para Guarapuava em 2021, estas áreas também se destacam nos registros de profissionais do Crea-Pr. No ramo da engenharia civil, são 392 profissionais registrados somente em Guarapuava. Na agronomia, são 508 no total (equivalente a cerca de 1/3 de toda a modalidade na regional) e, ainda, engenharias como elétrica, mecânica e segurança no trabalho, fortemente ligados à indústria, passam de 100 registros.

Para o gerente da Regional Guarapuava do Crea-PR, Thyago Giroldo Nalim, os números mostram uma forte presença dos nossos profissionais em setores estratégicos para o desenvolvimento das cidades. “Eles são peças chaves dentro dessas áreas de desenvolvimento. Podemos perceber o saldo positivo no setor da construção civil e na indústria na nossa região, por exemplo, que são segmentos que não pararam durante a pandemia, onde os profissionais contribuíram muito para que pudéssemos continuar garantindo a segurança dos trabalhadores e a qualidade dos serviços. Trabalhamos para manter isso, para que as melhores técnicas sejam cada vez mais aplicadas, para reduzir custos, trazer conforto e propiciar qualidade de vida em todos os setores”, enfatizou.

E se o cenário econômico é positivo, o mercado pede cada vez mais profissionais e melhor qualificação. As exigências mercadológicas fomentam em Guarapuava também outro crescimento: as ofertas de cursos de graduação voltados às engenharias. A cidade possui cinco instituições de ensino superior, sendo duas públicas (UTFPR e Unicentro) e três da rede privada (Centro Universitário Campo Real, Faculdade Guarapuava e UniGuairacá). Em todas, há pelo menos dois cursos de engenharia em andamento, injetando novos profissionais no mercado todos os anos. Na UniGuairacá, os cursos de Agronomia, Engenharia Civil e de Software são recentes e a abertura responde a uma necessidade de mercado identificada. “Fizemos um levantamento para oferta de novos cursos e, nessa pesquisa, foi constatada a grande procura dos estudantes por essas áreas”, detalhou a assessoria da Instituição.

             Para Thyago, o crescimento da busca por qualificação mostra não apenas uma necessidade estratégica de mercado, mas também a valorização da classe. “As atividades desenvolvidas pelos engenheiros estão na base econômica de muitos municípios da região Centro Sul do Paraná. Ou seja, são atividades responsáveis por grande parte do desenvolvimento socioeconômico e da geração de renda dos municípios que compõem as quatro Inspetorias da Regional Guarapuava do Crea-PR. Dessa forma, o engenheiro é o profissional com qualidade, conhecimento e responsabilidade técnica para atuar em funções que geram renda, movimentam a economia, sustentam famílias e geram desenvolvimento. Investir e confiar tudo isso a um profissional habilitado é valorizar o próprio investimento”, finalizou o gerente.