Hospitais universitários estaduais se tornam referência no enfrentamento da pandemia - Cantu em Foco - As principais notícias da região, você encontra aqui no Cantu em Foco

URGENTE

Hospitais universitários estaduais se tornam referência no enfrentamento da pandemia


 Os hospitais vinculados às universidades estaduais do Paraná reforçaram as ações de combate à pandemia, disponibilizando centenas de leitos exclusivos para pacientes acometidos pela Covid-19. Desde o ano passado, o Governo já direcionou mais de R$ 1,2 bilhão aos Hospitais Universitários (Hus) para ações como aquisição de equipamentos, garantia de insumos e despesa com pessoal.


Desse montante, R$ 152 milhões foram aplicados, exclusivamente, em medidas relacionadas à pandemia. Exemplo disso, os quatro hospitais universitários da rede estadual ampliaram, gradativamente, a oferta de leitos, saltando de 834 para 1.127, entre março do ano passado e agosto de 2021. Esse número equivale a um incremento de 35% na quantidade total de leitos disponíveis.


“Os quatro hospitais universitários das instituições estaduais de ensino superior se tornaram referência no enfrentamento dessa crise sanitária, contribuindo para o acompanhamento da situação epidemiológica e controle da doença, com impacto na articulação e proposição de políticas públicas”, destacou o superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Nelson Bona.

Somente o complexo hospitalar da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) – composto pelo Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais e pelo Hospital Universitário Materno-Infantil (Humai) – conta, atualmente, com 103 vagas para pacientes com a doença: 46 leitos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI); 48 leitos clínicos; quatro leitos de emergência; e cinco leitos de enfermaria no Pronto Atendimento.


Em Londrina, o Hospital Universitário Regional do Norte do Paraná disponibiliza 213 leitos, sendo 96 de enfermaria, 106 de UTI adulto e 11 de UTI pediátrica. No Noroeste do Estado, o Hospital Universitário Regional de Maringá oferece outros 50 leitos – 20 de UTI e 30 de enfermaria. Já em Cascavel, o Hospital Universitário do Oeste do Paraná concentra 70 leitos de terapia intensiva.


Para o superintendente Aldo Nelson Bona, a pandemia fez com que os profissionais dos hospitais universitários ganhassem aprendizado e experiência, principalmente no que se refere à atuação dos trabalhadores da área da saúde e adaptação da estrutura de funcionamento das unidades.


Ele ressalta, ainda, o desenvolvimento de vários projetos de pesquisa e extensão, relacionados ao novo coronavírus (SARS-CoV-2). “Os resultados dessas iniciativas científicas e tecnológicas demonstram a importância do papel desempenhado pelas Universidades, apesar da suspensão de aulas presenciais”, afirma o superintendente.

UNIVERSIDADES - Em paralelo aos HUs, as universidades estaduais do Paraná foram responsáveis pela produção de pelo menos 60 mil litros de álcool em gel e álcool líquido; 113 mil máscaras de proteção facial; 13 mil escudos faciais (face shields), além da realização de 42 mil exames de testagem para o novo coronavírus.


Devido à pandemia, parte das atividades acadêmicas foi direcionada para o enfrentamento ao novo coronavírus e mitigação de consequências decorrentes da crise epidemiológica. Nesse cenário, os hospitais universitários mantiveram a produção de pesquisas científicas e a capacidade de formação dos profissionais da saúde.


RESPIRADORES – No Laboratório de Habilidades do Hospital Universitário Regional de Maringá dois protótipos de respiradores foram desenvolvidos por professores e estudantes de graduação e pós-graduação dos cursos de Medicina e de Física da Universidade Estadual de Maringá (UEM). O primeiro projeto é um capacete oxigenador, que funciona como módulo de ventilação não invasiva. O outro protótipo consiste em um ventilador mecânico para pacientes com insuficiência respiratória em terapia intensiva.


Ambos os equipamentos foram fabricados com custo inferior ao praticado no mercado. O oxigenador não invasivo, por exemplo, foi produzido com materiais e recursos próprios, custando menos de R$ 150. No varejo, a peça é comercializada, em média, por R$ 700, e é descartada depois de utilizada em um único paciente. Além de barato, o modelo idealizado pelos pesquisadores do HU/UEM ainda pode ser reutilizado, após uma assepsia.

REABILITAÇÃO – O Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais é o único do Estado do Paraná com profissionais da Educação Física, atuando na recuperação de pessoas com Covid-19. Além de avaliação da força muscular, esse serviço compreende o monitoramento dos sinais vitais, sobretudo a frequência cardíaca e a saturação periférica de oxigênio dos pacientes.


A equipe é composta por três profissionais credenciados e quatro residentes, e dispõe de vários equipamentos para realização das sessões, como halteres e caneleiras de peso, faixas elásticas e cicloergômetros. As práticas de reabilitação envolvem histórico clínico, exames, tempo de internamento e avanço da patologia no organismo da pessoa doente.


A iniciativa tem contribuído para a evolução clínica dos pacientes, que muitas vezes ficam restritos aos leitos e apresentam dificuldades para se movimentar e até mesmo para sentar. Com esse tratamento, associado à terapia convencional, ao fim do período de internação hospitalar, os pacientes conseguem realizar as atividades de forma mais independente ou com ajuda mínima.


FISIOTERAPIA – No Hospital Universitário do Oeste do Paraná, os pacientes recuperados da Covid-19 podem fazer exames de espirometria, que consiste em um teste da função pulmonar, muito útil para diagnosticar e tratar sequelas respiratórias, decorrentes do SARS-CoV-2. A espirometria permite analisar a capacidade dos pulmões, registrando volume e fluxo de ar.


Geralmente, esse exame é realizado cerca quatro meses depois da alta hospitalar, tempo suficiente para que a equipe de Fisioterapia possa avaliar as condições reais do paciente, sem resquícios ou alterações clínicas decorrentes do internamento.


Nesse acompanhamento, também são observadas atividades que antes da doença eram comuns e que, agora, as pessoas não conseguem mais realizar, seja no trabalho ou mesmo lazer. Uma vez identificadas essas limitações, o objetivo é promover a recuperação do paciente, para que possa voltar a fazer os movimentos sem dificuldade.

AEN