Educação implanta novos programas e ferramentas com foco na qualidade do ensino - Cantu em Foco - As principais notícias da região, você encontra aqui no Cantu em Foco

URGENTE

Educação implanta novos programas e ferramentas com foco na qualidade do ensino


 Nos primeiros sete meses de 2021, mesmo diante de um cenário incerto devido à pandemia, a educação pública do Paraná seguiu se adaptando e avançou com a implementação de novos programas e projetos para o presente e o futuro.


Ainda no cenário 100% remoto, a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (Seed) deu início a novos programas para os estudantes. Em março começaram as aulas de Educação Financeira, que entrou na matriz curricular do Ensino Médio com uma aula semanal para quase 400 mil alunos, com o objetivo de ajudar os jovens a organizar as finanças e contribuir com o planejamento do orçamento familiar.

Em abril, outra novidade foi a implementação do programa Edutech para 65 mil alunos. Os cursos gratuitos de programação, games e animação são ofertados para alunos do Ensino Fundamental e do Ensino Médio – além de professores da rede –, dando oportunidade à nova geração de iniciar um caminho em um mercado de trabalho em plena ascensão e carente de profissionais qualificados.


No mês seguinte foram iniciadas as aulas online de inglês do programa Ganhando o Mundo, como preparação para os 100 estudantes que vão fazer um intercâmbio na Nova Zelândia.


ENSINO REMOTO - Nas aulas regulares o grande desafio da Secretaria, junto com o esforço de todos os profissionais, desde fevereiro, foi encontrar soluções para proporcionar um ensino de maior qualidade. O foco se voltou para a ampliação do Meet como a principal ferramenta da aula remota, o que contribuiu para o Estado figurar entre os cinco melhores no Índice de Ensino a Distância (IEAD) da Rede de Pesquisa Solidária – Políticas Públicas e Sociedade.


“Colocamos a tecnologia a favor da Educação. Os alunos não estavam mais assistindo às aulas assíncronas. A aula ao vivo, síncrona, que cada professor deu para sua turma, tornou muito mais interessante o ensino e compensou um pouco o fato do aluno não estar na escola”, resume o secretário Renato Feder.

Com as escolas fechadas, boa parte da merenda escolar e kits de alimentos foram novamente distribuídos às famílias mais vulneráveis, repetindo o que havia sido feito em 2020.


O foco prioritário no ensino remoto seguiu até o dia 10 de maio, quando os primeiros 200 dos mais de 2,1 mil colégios da rede estadual abriram as portas para receber os estudantes – paralelamente ao início da vacinação dos profissionais da Educação. Gradualmente, o número de instituições foi aumentando, encerrando o primeiro semestre, no início de julho, com cerca de 55% das unidades abertas.


Com o início do segundo semestre, em 21 de julho, mais de 90% das escolas abriram e contribuíram para reduzir em mais de metade o número de alunos que não estavam frequentando as aulas e realizando atividades.


“Quando o aluno está em casa, ele precisa de uma disciplina muito maior. Em casa ele tem o futebol, o videogame, os pais, os irmãos, os vizinhos. Quando a gente volta para escola, ele está lá, ele vai estudar. Então, a evasão escolar, a falta de realização de atividades vai desabar”, diz Feder, reforçando que o ensino remoto contribui muito, mas não substitui integralmente as atividades pedagógicas ofertadas de modo presencial.


Entre o fim do primeiro e o início do segundo semestre, a Seed também promoveu as eleições para diretores em cerca de 1,7 mil escolas, que estavam marcadas para o fim do ano passado, mas por decisão da Justiça foram adiadas.

EDUCAÇÃO ESPECIAL - Em julho, depois de muitos meses de diálogo, a Seed e o Governo do Estado firmaram uma nova parceria com as mantenedoras de Escolas de Educação Básica na modalidade de educação especial, de Centros de Atendimento Educacional Especializados e de Escolas para Surdos e/ou Cegos. Ao todo, até o fim de janeiro de 2023, serão R$ 432,3 milhões investidos nessa área, 10% a mais que no último convênio.


NOVO ENSINO MÉDIO - Modelo que será gradualmente adotado em escolas das redes pública e privadas a partir de 2022, o Novo Ensino Médio no Paraná também teve seu referencial curricular e das diretrizes complementares aprovados pelo Conselho Estadual de Educação (CEE/PR). No momento, a Secretaria da Educação e do Esporte segue no processo de elaboração da matriz curricular, contemplando as especificidades de cada modalidade de ensino.

AEN