Pequenos negócios podem explorar recursos do Tiktok e Reels para se relacionar com clientes - Cantu em Foco - As principais notícias da região, você encontra aqui no Cantu em Foco

URGENTE

Pequenos negócios podem explorar recursos do Tiktok e Reels para se relacionar com clientes

 

Empresários que aproveitam as plataformas de forma planejada podem converter acessos e visualizações em vendas

No ano passado, o TikTok foi o aplicativo mais baixado na internet. Segundo relatório Digital 2021, elaborado pela We are Social e Hootsuite, a plataforma é utilizada por mais de 47% dos usuários online no mundo. No Brasil, o uso da rede social de vídeos curtos também atrai cada vez mais a atenção do público, principalmente entre 18 e 49 anos, conforme aponta dados da pesquisa Opinion Box.  Na mesma corrente, o Reels é outra ferramenta que também tem conquistado o público, visto que oferece a funcionalidade dos vídeos no Instagram, que tem mais de 99 milhões de brasileiros conectados, segundo dados da própria plataforma.

Com as duas possibilidades, pequenos negócios têm aparecido no feed, no explorar do Instagram e na “for you” do TikTok, com conteúdos diferenciados que dão destaque ao negócio e ajudam a conquistar novos públicos. Esse movimento, de acordo com a consultora do Sebrae/PR, Mariana Carvalho, é significativo e empresas de vários segmentos estão aproveitando o boom dos aplicativos.

“É algo que funciona, mas para o empresário, em especial, demanda planejamento, pois além da criatividade, os aplicativos exigem constância e propósito. Por isso, não adianta simplesmente começar a fazer vídeos e entrar nas chamadas ‘trends’: é preciso compreender o objetivo por trás de cada conteúdo”, aconselha a consultora.

Em Cascavel, a empresária e social media Eliana Risso produz conteúdo para o TikTok pessoal, que abrange conteúdos sobre a sua empresa, bem como orienta empresários sobre o uso mais coerente do aplicativo e também do Reels. Segundo ela, as duas plataformas são eficazes, mas é preciso ter foco.

“Costumo indicar o Tiktok para empresas com maior abrangência e o segundo para conversão de vendas locais e regionais. Uso para todos os meus clientes, além da minha conta empresarial. Mas é preciso saber usar: tem muitas empresas que viralizam com dancinhas e humor, mas os conteúdos não condizem com aquilo que eles realmente vendem”, alerta Eliana.

Sabendo disso, o empresário João Diniz, da cidade de Ponta Grossa, proprietário de uma rede de barbearia, vê o TikTok como uma plataforma desafiadora. Ao mesmo tempo em que colhe os resultados dos doze vídeos produzidos até o momento, ele tem cautela com o que é colocado no ar.

Com resultados expressivos nos vídeos que produz para o TikTok, João Diniz planeja os conteúdos e está sempre atento às tendências da rede. Crédito: Divulgação.


“Acredito que para alcançar diferentes públicos, é preciso se destacar em todas as redes sociais. A forma de se comunicar, no entanto, é diferente para cada uma delas. O maior desafio no TikTok é o empresário produzir seu próprio vídeo, de forma espontânea, acompanhar as tendências e chegar o mais próximo possível do público-alvo”, analisa.

De acordo com o empresário, é preciso estar preparado para a volatilidade dos conteúdos – alguns viralizam e no dia seguinte, já estão obsoletos. “É um aplicativo que não permite segmentação e requer acompanhamento contínuo das tendências”, diz.

Até agora, entre conteúdos de vendas e de entretenimento, João acumulou entre 69 e 2 mil visualizações por vídeo.

Crescimento constante

A pesquisa da Opinion Box, divulgada no final do mês passado, mostrou que a presença das empresas na rede social tem sido percebida positivamente pelos usuários brasileiros, uma vez que 56% seguem alguma marca ou empresa no TikTok e 66% concordaram que o aplicativo pode aproximar pessoas empresas. Para que isso aconteça, no entanto, a consultora dá algumas dicas.

  1. Nem só de dancinhas vive o Reels e o TikTok

Segundo Mariana, considerando que a empresa pode utilizar os dois aplicativos como forma de se aproximar do público-alvo, é preciso que haja transparência e autenticidade. Por isso, se o proprietário e os vendedores, por exemplo, não se sentem à vontade dançando as “trends”, ou seja, correntes virais dos apps, é possível utilizar as músicas para alavancar o conteúdo.  “A dança é, sim, um recurso forte e presente. Mas é possível que o empresário utilize a música viral para explicar algum processo do dia a dia. No caso de um vendedor de marmitas congeladas, por exemplo, ele pode usar a música do momento para explicar como aqueles alimentos são bem produzidos e embalados. Isso vai mostrar a rotina da empresa, agregar valor ao produto e, ainda, colocar o vídeo entre os mais cotados justamente por usar um elemento já comum dos aplicativos”, aconselha.

  1. É preciso ir além do produto e/ou serviço

Não existe uma fórmula exata ou um passo a passo para tornar um conteúdo viral, mas é possível criar posts mais alinhados com o desejo do público a partir da análise daquilo que é mais visto e procurado. Dentro do universo do TikTok e do Reels, foi percebido que o produto e/ou o serviço por si só não atraem visualizações: é preciso ir além. “Quem está rolando o feed ou a for you quer algo diferente. Muitas vezes, ele não tem interesse em comprar uma semijoia naquele momento, mas se perceber um vídeo interessante dando dicas de como é possível limpar esse produto em casa, sem danificar o item, ele pode passar a seguir a loja e, futuramente, terá uma conexão maior com ela, pois já terá o sentimento de conhecimento e pertencimento”, indica Mariana.

  1. Reciprocidade é a chave

Tanto no Instagram quanto no TikTok, é preciso estar presente e se fazer constante. Por isso, ao receber comentários com dúvidas, elogios, sugestões e até reclamações, a resposta deve ser dada de forma quase que imediata, mostrando que a mesma atenção que o usuário dedicou para aquele vídeo é retribuída pela empresa. “Os empresários precisam entender que estes aplicativos, em especial, não são e não devem ser catálogos digitais. É necessário que haja resposta, interação e contato, respeitando os desejos daquele usuário que está acompanhando o conteúdo produzido”, finaliza a consultora.