Mulheres inovaram mais em suas empresas que os homens durante a pandemia, aponta pesquisa do Sebrae - Cantu em Foco - O maior site de notícias online da região Cantu no Paraná

Últimas

terça-feira, 29 de setembro de 2020

Mulheres inovaram mais em suas empresas que os homens durante a pandemia, aponta pesquisa do Sebrae

 

Percentual de empreendedoras que vendem pela internet, usam redes sociais e inovam em produtos e serviços é superior ao de empresários do sexo masculino

A crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus atingiu, de forma praticamente indistinta, homens e mulheres que empreendem no Brasil. Entretanto, segundo pesquisa realizada pelo Sebrae e Fundação Getúlio Vargas, as mulheres empreendedoras demonstraram maior agilidade e competência ao implementar inovações em seus negócios. De acordo com o levantamento, a maioria das mulheres (71%) faz uso das redes sociais, aplicativos ou internet para vender seus produtos. Já o percentual de homens que utilizam essas ferramentas é bem menor: 63%. Essa vantagem das mulheres diante dos empresários também foi verificada no uso do delivery e nas mudanças desenvolvidas em produtos e serviços.

A 7ª pesquisa sobre o Impacto nos Pequenos Negócios, realizada entre os dias 27 e 31 de agosto, revelou que a maioria dos empresários registrou uma diminuição do faturamento mensal, a partir do início da pandemia, com uma situação ligeiramente pior para as mulheres (78%), em comparação com os empresários do sexo masculino (76%). Por outro lado, elas passaram – por força das medidas de isolamento social – a utilizar mais as vendas online do que os homens (34% delas contra 29% dos empreendedores). As mulheres donas de negócios também inovaram mais na oferta de seus produtos e serviços (11%) contra 7% dos homens; e usaram mais os serviços de delivery (19%), enquanto 14% dos empresários passaram a adotar essa mesma estratégia.

Dianalu de Almeida Caldato, gestora do Programa Sebrae Delas do Sebrae/PR, aponta alguns motivos que levam ao resultado da pesquisa. “As mulheres, em média, têm grau de escolarização maior dos que os homens, o que significa que estão mais preparadas para buscar alternativas. A pesquisa apontou que 63% delas possuem ensino superior contra 55% dos homens. Elas também são mais jovens (24% delas têm até 35 anos contra 18% deles), têm perfis ligados às dinâmicas de transformação digital e estão mais conectadas”, explica Dianalu.

A consultora do Sebrae/PR observa que a pandemia forçou os empreendedores a saírem da zona de conforto, acelerando assim o processo de digitalização dos negócios. “A inovação apareceu na reinvenção de negócios, no modelo de entrega, nos atendimentos e até na criação de novos produtos ou serviços. A necessidade do cliente não deixou de existir, o que mudou foi a forma de relacionamento”, contextualiza Dianalu.

As empreendedoras paranaenses têm aplicado a inovação e a criatividade para diferentes áreas de atuação.

Simone Heidecke é empresária em Toledo, região oeste do Paraná. Há quatro anos ela vende produtos de beleza e um dos principais planos para 2020 era inovar na empresa. Pensando nisso, em janeiro passou a contar com um sócio investidor na Batom Cereja Store e começou a vender, além de maquiagens e outros itens, roupas e acessórios. Porém, a pandemia fez Simone perceber que isso não era suficiente: para manter as clientes por perto, era preciso ir além.

“Em abril, no auge da pandemia, eu percebi que apesar do bom faturamento, estava fazendo mais do mesmo e que podia fazer muito mais do que apenas vender. Comecei, então, a estudar sobre consultoria de imagem, aprendendo e aplicando as novas técnicas de uma Personal Stylist. O faturamento aumentou, mas precisei trabalhar outra questão: o medo da pandemia.  Por isso, comecei a mostrar as formas seguras de atendimento que podíamos oferecer e, assim, o nosso contato com as clientes ficou mais individualizado”, declara Simone.

Para driblar a crise, Simone Heidecke inovou a empresa e hoje oferece um atendimento completo para as clientes. Crédito da foto: acervo pessoal.

Hoje, a empresa que vendia produtos de beleza, também oferece roupas, acessórios, consultoria de imagens e atendimento personalizado. Inovações que, segundo a empresária, deixaram as clientes mais que satisfeitas, fidelizando as consumidoras e gerando novas indicações.

A empreendedora curitibana Angelita Busato é proprietária da Via Detox, empresa especializada em avaliação nutricional e na elaboração de dietas específicas com o foco na perda de peso. Com a pandemia, os atendimentos diminuíram. Ela começou a perceber que muitas pessoas não paravam para cozinhar, recorriam aos deliverys e começaram a ganhar peso. Por isso, ela começou a investir no preparo e na venda das próprias refeições. “Comecei a elaborar planos familiares de refeições saudáveis e a produzir marmitas para o almoço e jantar além de lanches, sopas, saladas e sucos naturais. A cada semana mudo o cardápio e envio para todos os meus clientes pelas redes sociais. Além disso, eu mesma faço as entregas”, explica.

A empresária explica que a procura foi muito grande ao longo do período. Com o preparo de mais de 100 refeições por final de semana, ela precisou pedir ajuda para a irmã. Com o novo negócio, ela se mostrou otimista e espera crescer ainda mais nos próximos meses. “Já tenho planos para montar uma cozinha maior, além de unir o meu consultório a uma loja com os alimentos saudáveis congelados. Acredito que em breve também terei que contratar uma pessoa para cozinhar e outra para atender a loja, enquanto eu ficaria com os atendimentos clínicos e gerenciamento do negócio”, ressalta.

Angelita Busato expandiu o negócio de avaliação nutricional e começou a produzir refeições a partir de dietas específicas. Crédito: Divulgação

O Sebrae/PR também procura fomentar o empreendedorismo por meio do Programa Sebrae Delas que está capacitando mulheres de todo o Estado, de forma 100% digital. São conteúdos e oficinas relacionados à gestão de problemas complexos (ao encontro da realidade ocasionada pela pandemia), comunicação remota, marketing de influência e novos modelos de negócio no momento atual. Neste contexto, acontece a trilha Elas Inovam, que terminará no evento Conecta 2020, de 8 a 10 de outubro.

Dívidas e crédito

Ainda de acordo com os dados da pesquisa, as mulheres têm se mostrado mais avessas a empréstimos bancários do que os homens. Desde o início da crise, 54% dos empresários do sexo masculino buscaram crédito enquanto a proporção de mulheres é praticamente a oposta: 55% delas não buscaram empréstimos.

Outro aspecto que também mostra uma diferença significativa de comportamento entre homens e mulheres é o percentual de endividamento. Enquanto a maior parcela dos empresários (37%) tem dívidas/empréstimos em dia, a parcela mais representativa das mulheres é aquela que afirma não ter dívidas (36%).

Local de trabalho

Em sintonia com dados históricos do Sebrae, o último levantamento mostrou que há uma predominância das mulheres que empreendem em casa (35%), em comparação com os homens (29%). Em geral, essa situação se dá em razão das mulheres buscarem compatibilizar a rotina do negócio com as demandas da família.

A pesquisa também revelou que a maioria dos empreendedores está em processo de reabertura, com ligeira vantagem para as mulheres (76%) em relação aos homens (75%).

Outros dados da pesquisa

As mulheres estão mais pessimistas quanto ao retorno da clientela: 68% delas contra 61% dos homens acham que menos da metade dos clientes voltarão em 30 dias.

Empreendedores masculinos e femininos acreditam que a situação econômica do país voltará ao normal em 11 meses.

Seis em cada dez empreendedores (ambos os sexos) tiveram que implementar mudanças para continuar a funcionar, por causa da crise.

Apenas uma minoria dos empresários (8%), de ambos os sexos, disse que demitiu nesse período de crise, com os homens tendo demitido, em média, três funcionários e as mulheres, dois.

A maior parte dos empresários, ambos os sexos, não tomou nenhuma medida em relação aos funcionários. Entre os que adotaram, 32% das mulheres optaram por suspender o contrato de trabalho, enquanto 27% dos homens também fizeram isso.

A maior parte dos empresários não sabe da opção de pedir empréstimo pela maquininha de cartão (53% das mulheres e 43% dos homens). Apenas 2% dos empresários (ambos os sexos), que conheciam essa opção, fizeram o pedido.

Seis em cada dez empresários que buscaram empréstimos não tiveram sucesso. Apenas 22% dos homens e 23% das mulheres conseguiram empréstimos.

A maior parte dos empresários (22% dos homens e 17% das mulheres) alega que o banco não informou o motivo para a não concessão do empréstimo, mas outra parte expressiva (16% dos homens e 17% das mulheres) apontou como principal motivo o CPF negativado ou com restrição. 

Metade dos empresários entrevistados atuam no setor de Serviços.

Enquanto a maior parcela dos empresários do sexo masculino (31%) está em atividade há mais de 10 anos, a maior parte das mulheres (27%) atua no mercado entre dois e cinco anos.

 

Nenhum comentário: