“Não quer dizer que as cidades estão livres da circulação do vírus, mas a redução mostra que a eliminação manual dos criadouros, aliada a outras técnicas de combate, pode reduzir o número de casos”, destaca Maria Goretti David Lopes, diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da secretaria estadual.
“E, neste momento, com as ações de campo restringidas em função do controle da Covid-19, contamos principalmente, com o apoio de cada paranaense na verificação de sua casa, eliminando todo recipiente que possa acumular água, nos ambientes internos e externos, como em vasos de plantas, calhas, pneus parados, vasilhames destampados, entre outros”, disse a diretora.
De acordo com ela, os números mostram que ainda existe um desafio muito grande pela frente e a cooperação de cada cidadão é fundamental.
ÓBITOS – Entre os dez óbitos confirmados nesta semana, dois são de crianças. Outro dado que chama a atenção e que cinco pessoas que morreram não apresentavam comorbidades associadas.
Dois óbitos foram município de Paranavaí, de duas mulheres, uma de 67, com cardiopatia associada, e outra de 58 anos, sem comorbidade.
As demais mortes aconteceram em: Foz do Iguaçu, homem, 53 anos, sem comorbidade); Cascavel, homem, 21 anos, sem comorbidade; Douradina, homem, 91 anos, sem comorbidade; Sarandi, mulher, 54 anos, com epilepsia associada; Toledo, mulher de 43 anos, que havia passado por cirurgia bariátrica há quatro anos; Tupassi, homem de 63 anos, com hipertensão; Assis Chateubriand, um menino de 8 anos, sem comorbidade; e Maringá, menino de 4 anos que apresentava sequela neurológica.
BANDA B