Brasil

Promotoria do Rio pede interdição do sambódromo a dois dias do Carnaval

O Ministério Público do Rio de Janeiro pediu nesta quinta-feira (27) a interdição da Marquês de Sapucaí, sambódromo por onde passam Mangueira, Salgueiro e outras escolas de samba do Carnaval fluminense. Segundo a Promotoria, a realização do evento deve ser condicionada a uma vistoria do Corpo de Bombeiros, que daria então um laudo técnico conferindo “autorização especial” para que os desfiles possam acontecer. A iniciativa partiu da 6ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania, que ajuizou uma ação civil pública na 1ª Vara de Fazenda Pública da Comarca da Capital. O MP solicitou a seu corpo técnico, o Gate, com peritos em engenharia, que fizesse uma inspeção “para verificar se o local reúne condições de segurança adequadas a receber evento de tamanha magnitude”. Decidiu que não, não reúne. À ação foram agregadas imagens de disjuntores sem identificação, instalações elétricas improvisadas (com vários fios embaralhados), entre outros pontos que podem comprometer a infraestrutura do local. “Em verdade, o não atendimento às normas legais e normativas técnicas exigidas pelo Corpo de Bombeiros remonta à construção do sambódromo e demonstra efetivo descaso do Poder Público municipal e da Liesa com a vida e segurança de todos aqueles que utilizam o local durante o período do Carnaval”, diz o texto. O MP também pede que o Judiciário só libere o evento se os presidentes da Riotur (agência municipal de turismo) e da Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba) assinem, num prazo de 24 horas, um Termo de Responsabilidade “assegurando que o local reúne condições de segurança suficientes à assegurar a vida e integridade física dos espectadores, jurados, trabalhadores e integrantes das escolas de samba”. “Some-se a isso o fato de o sambódromo da Marquês de Sapucaí estar hoje interditado preventivamente pelo Corpo de Bombeiros para sediar eventos, ficando a liberação condicionada à autorização especial concedida pelo órgão”, afirma a ação. O presidente da Liesa, Jorge Castanheira, disse na tarde desta quinta, em entrevista a jornalistas no sambódromo, que não estava ciente da ação do Ministério Público e que o espaço é cedido à liga por um termo de permissão de uso da prefeitura apenas durante a montagem e realização dos desfiles. O sambódromo pertence ao estado, mas está cedido à prefeitura, e logo a responsabilidade é municipal, segundo o governador do Rio, Wilson Witzel. Também na Marquês de Sapucaí, ele disse esperar que o Corpo de Bombeiros “tome as providências necessárias, juntamente à Liesa e a Riotur”, para que as escolas de samba possam desfilar. “Acredito que isso será resolvido porque as pendências já eram esperadas.” 

 por Anna Virginia Balloussier e Júlia Barbon/Paraná Portal
Cantu em Foco

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.