Cidades

Morador de Maringá lembra o dia que foi abduzido por ETs há 42 anos

Era uma sexta-feira 13 quando o maringaense Jocelino Mattos, então com 18 anos, diz ter vivido a experiência de ser abduzido por alienígenas. O caso ocorreu em 1977, nas proximidades da Avenida Sophia Rasgulaeff, no Jardim Alvorada. Anos depois, a abdução foi comprovada por meio de sessões de hipnose, segundo ele.

Hoje, aos 60 anos, o maringaense conta tranquilamente sobre a experiência de ter sido abduzido. Ele diz não ter medo do que ocorreu e nem de que algo possa acontecer novamente. No entanto, ele lembra: “Eles disseram que voltariam no futuro”.
O eletricista Jocelino Mattos relata que voltava a pé para casa junto com seu irmão mais novo quando observaram algo no céu que parecia uma estrela, mas que se movimentava. Quase na esquina da rua onde moravam, os irmãos foram "puxados" até uma mata e Jocelino foi levado para o disco voador, enquanto seu irmão ficou desacordado no chão.
Depois da abdução, Jocelino destaca que se lembrava somente de alguns momentos. Após 60 sessões de hipnose, cuja equipe de pesquisadores era formada também pelo maringaense Gevaerd, vários fatos foram confirmados.
De acordo com ele, foram mais de 30 horas de gravação de fita e as transcrições ultrapassaram 200 páginas. Conforme o pesquisador, Jocelino relata que o disco voador era repleto de computadores e que ele foi levado para uma sala onde havia vários instrumentos hospitalares, local onde foi submetido a exames, como de sangue e de urina e também colheram amostra de cabelo.
“Foi algo pacífico, não me machucaram. Fizeram os testes e disseram que voltariam no futuro”, disse em entrevista ao portal GMC Online.
As sessões hipnóticas também mostraram que Jocelino teria tido relação sexual com uma alienígena, que seria uma cientista. “Eles são normais, a aparência é igual a dos seres humanos. Única coisa é que são maiores, têm entre 1,90 metro e 2
metros de altura”, lembra.
Segundo a revista Ufo, do pesquisador marigaense Gevaerd, os ETs raptam os seres humanos e os cruzam com os da sua espécie para obter seres híbridos resistentes.
Após as experiências, Jocelino diz que foi levado para fora da nave, onde estava o irmão ainda desacordado, e eles retornaram para casa. Ao relatar a história, muitos acreditaram em Jocelino, outros não, recorda ele.
“Fiquei dois anos morando em cidades vizinhas porque não aguentei a pressão e tive que sair de Maringá. As pessoas me reconheciam e algumas acreditavam, outras falavam que era mentira, houve um conflito interno dentro de mim e fui
embora”, conta.
Jocelino retornou a Maringá, onde se casou, teve dois filhos e hoje reside no Conjunto Requião. “Minha família brinca de vez em quando, fala que eu não sou desse mundo”, diverte-se.
Jocelino finaliza dizendo que a experiência o tornou uma pessoa melhor. “Aquilo me ajudou muito, eu era meio rebelde, ignorante, caboclo que não levava desaforo para casa. Depois disso fiquei pacífico. Me tornei mais calmo, mais tranquilo. Trato o fato com naturalidade, muitas outras pessoas já relataram abduções também.” (GMC Online).
Cantu em Foco

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.