Brasil

Menina de 11 anos viraliza com reportagens de brincadeira para denunciar problemas da periferia


De férias e sem ter como sair para passear com os irmãos, Mirella Archangelo, 11, perguntou para a mãe, Amanda Sales, por que algumas crianças podiam ir todos os dias ao shopping e viajar enquanto eles precisavam ficar em casa.

A mãe então explicou que isso acontecia porque algumas pessoas tinham condições financeiras, o que não era o caso deles, já que ela e o marido se dividem para manter um estúdio de tatuagem e criar os quatro filhos - além de Mirella, os gêmeos Pablo e Peterson, 8, e Marjory, 6.

A menina quis saber mais, e ouvindo a mãe e pesquisando por conta própria, viu que assim como ela, outras crianças que vivem nas periferias não têm opções de lazer nas férias, já que os pais trabalham e não podem custear passeios.

Alguns dias depois, a sala da casa da família, no bairro Parque Avelino, em Ribeirão Preto, interior paulista, havia se convertido em um estúdio de TV. Peterson levava no ombro uma câmera feita com caixas de sapato e tecido. Mirella caminhava segurando um microfone de espuma e plástico reciclado, com o logotipo da Globo.

Ela para em frente à falsa câmera e fala: "Esse é o 'Jornal Comunitário' e o assunto de hoje é férias. Fiz uma pesquisa e descobri que muitas crianças não têm nada para fazer nas férias. Os pais têm que ir trabalhar, não podem se divertir com aquela criança; aí a criança acaba indo para lugares errados, aprender coisas erradas. Muitos bairros não têm nada a oferecer às crianças. E os bairros que têm oficinas (culturais), elas poderiam ser mais divulgadas para as famílias levarem seus filhos". E encerra: "Agora vamos sair desse assunto chato e vamos descobrir um pouco mais de esporte com o Pablo".

O irmão então assume o microfone e começa a falar dos times brasileiros. Na sequência, é a vez da caçula Marjory informar a previsão do tempo: "Tá um pouco de chuva, mas vai que faz sol".

Resultado de imagem para Menina de 11 anos viraliza com reportagens de brincadeira para denunciar problemas da periferia

Jornalista ou prefeita
Postado no Facebook pela mãe, esse é um dos vídeos feitos pelos irmãos que viralizou nas redes sociais. Em todas as gravações, um tema em comum: Mirella, como repórter, aponta problemas em seu bairro e cobra do poder público ações que possam melhorar a vida das pessoas não tão favorecidas como ela.
No mais famoso deles, que chegou a ser exibido e inspirou reportagem no telejornal local da Globo, ela mostra os buracos e problemas constantes da sua rua, que fica alagada com frequência, e desabafa no final: "A população já cansou dessas buraqueiras. Será que vou ter que deixar meu sonho de jornalismo de lado para virar prefeita?".

Mas Mirella, que acaba de passar para o 6º ano do ensino fundamental, não tem muita ideia do que um prefeito faz. "Imagino que rouba verba das crianças nas escolas", diz ela à BBC Brasil, por telefone. "Ele deve dar umas melhorias também. Preciso estudar, me aprofundar sobre isso."

Ser política, no entanto, não está nos seus planos. Conta que falou aquela frase sem pensar muito, com a ajuda do pai, Julio Buyu.

"Eu queria ser professora, porque gosto de ensinar os outros. Eu ajudo meus irmãos com português e matemática. Mas agora desisti e quero ser jornalista", diz ela, que tem como inspiração Glória Maria e Rodrigo Bocardi. "Gostei das pessoas me reconhecerem na rua, de ajudar as pessoas, de arrumar a minha rua, poder ajudar a arrumar os lugares."

A denúncia em relação às más condições da própria rua, no entanto, ainda não surtiram efeito. Após seu vídeo circular nas redes sociais, uma equipe local da Globo foi até lá para gravar com a família de Mirella e mostrar os problemas. A prefeitura prometeu resolver tudo em um mês e meio e não cumpriu.

"Eu reclamo dos vazamentos e dos buracos há dez anos, nunca ninguém fez nada. Foi só aparecer esse vídeo para a prefeitura vir aqui olhar", conta a mãe, Amanda. Ela diz, no entanto, que nunca foi a intenção das crianças fazer esses vídeos só para apontar os problemas. "Tudo partiu da brincadeira deles."

Procurada pela BBC Brasil, a Prefeitura de Ribeirão Preto informou, via assessoria, que a recapagem da rua de Mirella e os outros serviços serão feitos no início de 2018. E explicou que as obras ainda não foram feitas "por absoluta falta de recursos, já que a atual gestão herdou uma dívida de quase R$ 2 bilhões (entre flutuante e fundada), para um orçamento de R$ 2,9 bilhões".

Inspiração
Mirella conta que aprendeu a imitar o trabalho dos jornalistas assistindo todo dia ao telejornal de manhã e que as ideias para os "jornais" surgem do que ela acha que "precisa arrumar", do que pensa na hora. A de falar da falta de opção de lazer nas férias foi assim.

"Tem muitas crianças que saem pro shopping e muitas ficam em casa sem fazer nada, tipo eu. Minha mãe explicou que era porque a gente não tinha muito dinheiro, e pensei em falar das oficinas para divulgar. Porque eu acho que devia ser igual para todo mundo. Ou ficava todo mundo em casa, ou saía todo mundo", diz ela.

Nesta semana, sua mãe, que é a verdadeira cinegrafista por trás dos vídeos, registrando a ação com um celular, lançou a página Jornal Mirim no Facebook para reunir os vídeos que ela e os irmãos fazem. A ideia, Amanda diz, é que eles postem vídeos quando tiverem vontade e que não façam apenas "reportagens" reclamando da falta de ação da prefeitura.

"As pessoas precisam saber que ela não é repórter investigativa. Ela é uma criança que brinca de ser repórter. Eu alimento a brincadeira com meus filhos pelo lado saudável. Eles fazem vídeos de dança, de várias coisas. Isso não é a profissão deles, eles são crianças que brincam com vídeos", afirma Amanda.

Mirella avisa que ela e sua equipe familiar produzirão vídeos com mais brincadeiras, mas sempre tratarão de algum tema importante. "No próximo eu quero falar de maltratar animais", diz a dona da cachorrinha Jade e de dois coelhos ainda sem nome.


Fonte:BBC Brasil
Cantu em Foco

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.