terça-feira, 25 de julho de 2017

Temer disponibiliza 13 milhões para "bosta do Carnaval" do Rio de Janeiro

O presidente Michel Temer indicou nesta terça-feira (25) que poderá injetar um aporte de R$ 13 milhões no Carnaval de 2018 do Rio de Janeiro. Em reunião com representantes de escolas de samba, o peemedebista acenou positivamente à reivindicação das agremiações cariocas, que reclamam do corte de recursos por parte da prefeitura fluminense. No encontro, o presidente pediu que o tema seja conduzido pelos ministros Sérgio Sá Leitão (Cultura) e Marx Beltrão (Turismo).

 A ideia do peemedebista é disponibilizar o montante por meio de patrocínios de empresas estatais, pela lei de incentivo à cultura ou por recurso orçamentários, previstos para as duas pastas. O ministro da Cultura disse que a pasta fará "o que estiver ao seu alcance" para ajudar as agremiações de samba. Ele ponderou, no entendo, que ainda não está definido como será o modelo de financiamento. "O governo brasileiro reconhece a importância do carnaval e faremos o que estiver ao nosso alcance para que possa ocorrer em 2018 com ainda mais força e possa ser um dinamizador da economia brasileira", disse. Na reunião, no Palácio do Planalto, as escolas de samba reclamaram da falta de recursos para ensaios e alegorias. 

 "O presidente disse que vai suprir os recursos que forem necessários. Nós pedimos uma intervenção federal no Carnaval do Rio de Janeiro", disse o deputado federal Pedro Paulo (PMDB-RJ), que participou do encontro. Para definir o modelo de financiamento, representantes das escolas de samba, como Mangueira, Beija-Flor e Porela, se reunirão com o novo ministro da Cultura na tarde desta terça-feira (25). Para Pedro Paulo, o prefeito Marcelo Crivella está fazendo um "ataque frontal" à cultura do Rio de Janeiro e uma "covardia" ao colocar a população contra a festa popular. O ajuste fiscal promovido pelo prefeito atingiu as finanças de eventos da cidade. O prefeito vai cortar pela metade –de R$ 2 milhões por escola para R$ 1 milhão – a subvenção que o município dá às escolas de samba do Rio de Janeiro.

 Em um momento de caixa apertado, ele diz que quer alocar os recursos na educação. A Riotur afirmou que vai buscar apoio da iniciativa privada para compensar o corte de 50% nos repasses para as escolas de samba, que receberão R$ 1 milhão cada.
Recomendamos para você:
 
VOLTAR AO INICIO
Copyright © 2013-2017 Cantu em Foco | 5 anos informando a Cantu. Criado por: Cantu em Foco