segunda-feira, 24 de julho de 2017

Câncer de colo de útero é causado principalmente por HPV. Entenda importância do papanicolau

Ele é relacionado ao temido HPV (papilomavírus humano) e um dos principais tumores entre as mulheres no mundo. Bastante comum em pacientes jovens, o câncer de colo de útero se desenvolve a partir de uma pequena inflamação na parte mais baixa do órgão, de acordo com a ginecologista e oncologista Graziela Zibetti Dal Molin, do Instituto Lado a Lado pela Vida — que desenvolve ações voltadas ao campo da humanização em saúde: "A partir daí, há uma multiplicação de células cancerígenas que se transformam no tumor", afirma a médica. 



Dados do INCA (Instituto Nacional de Câncer) indicam que o câncer de colo de útero é o terceiro que mais afeta as mulheres no mundo [fica atrás apenas dos tumores de mama e do colorretal] e a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil. O instituto estima o diagnóstico de 16.340 novos casos no País para 2017.


A especialista explica que o principal causador da doença é o HPV, vírus sexualmente transmissível que atinge a pele e a mucosa de diversas partes do corpo, principalmente os órgãos sexuais: “Há outros fatores de risco, como a paciente já ter contraído outras doenças sexualmente transmissíveis — principalmente o HIV —, hábitos como o tabagismo e alterações na vulva que podem desencadear o câncer de colo de útero. Mas a grande parte dos casos é relacionada ao HPV mesmo”.

Exames periódicos

O tumor pode ser detectado no exame papanicolau — a que as mulheres devem se submeter anualmente. A avaliação geralmente identifica uma alteração no tecido uterino e, em seguida, é realizada uma colposcopia para que o colo do útero seja analisado com mais precisão. Quando há necessidade, o ginecologista também solicita exames de imagem, como o ultrassom, completa Graziela.

— Em fases iniciais, o câncer de colo de útero não apresenta sintomas e é percebido somente pelos exames. Se o tumor já se encontra em um estágio avançado, porém, a paciente pode ter alterações no fluxo menstrual, sentir dores na relação sexual e para urinar, dor no abdômen e também na região pélvica.

A oncologista ainda ressalta que, quando a mulher passa pelo papanicolau todos os anos, as chances de o câncer se desenvolver e atingir estágios avançados no intervalo entre uma avaliação e outra é mínima. O tratamento, por sua vez, depende da extensão da doença. No estágio inicial, com o tumor restrito ao útero, o que se faz é uma cirurgia para a retirada do órgão e as chances de cura são de quase 100%. Se, por ouro lado, o câncer se alastrou para outros órgãos da região pélvica, como o ovário, o tratamento passa a incluir quimioterapia e radioterapia, diz a médica.

— Já nas doenças metastáticas, quando as células tumorais se espalham para o fígado e o pulmão, por exemplo, a paciente deve passar por quimioterapia também, mas somente de forma paliativa, porque as chances de cura são mínimas. O que existe de novo nesse sentido são as chamadas drogas-alvo, usadas na quimio para combater as lesões mais desenvolvidas, mas de maneira menos invasiva e causando menos efeitos colaterais para a paciente.

Depois de passar por qualquer um dos tratamentos, as chances de a mulher engravidar são reduzidas, alerta a ginecologista: "Quando se faz a cirurgia, em geral, todo o útero é retirado. Quando se faz radio e quimioterapia, por outro lado, o útero fica endurecido, forma fibrose [aumento do número de fibras em um tecido] e não consegue mais 'segurar' um bebê". 

Prevenção com exames e vacina

Além do papanicolau, que realmente identifica as mais sutis alterações celulares que podem evoluir para um tumor, a vacina contra o HPV é importante medida de prevenção, ressalta Gabriela.

— Infelizmente, esse câncer é um problema de saúde pública, já que muitas mulheres não têm acesso às informações sobre a importância da realização do papanicolau ou mesmo ao exame em si, e são diagnosticadas com o tumor já em estágio avançado.

Para as meninas com idade entre 9 e 14 anos, o imunizante é disponibilizado pela rede pública de saúde. Na rede privada, mulheres de todas as idades podem ser imunizadas, e a vacina previne também contra as verrugas genitais, que são a principal manifestação do HPV.




Fonte:R7
Recomendamos para você:
 
VOLTAR AO INICIO
Copyright © 2013-2017 Cantu em Foco | 5 anos informando a Cantu. Criado por: Cantu em Foco