quinta-feira, 22 de junho de 2017

Laranjeiras do Sul - MEC suspende parcialmente as atividade da Faculdade Faceopar

Esta semana o Ministério da educação (MEC), suspendeu temporariamente as atividades da Faculdade Centro Oeste do Paraná (Faceopar), de Laranjeiras do Sul. A decisão, segundo Henrique Sartori de Almeida Prado, secretário de regulação e Supervisão da Educação Superior se deve a supostas irregularidades. De acordo com Almeida, foi identificada situação de “terceirização da oferta de cursos superiores” sob o formato de programas de extensão universitária, ofertado por Instituto de Ensino Superior (IES) credenciadas pelo MEC em parceria com entidades não credenciadas para a oferta de educação superior.

A atuação envolveria as seguintes irregularidades: oferta de cursos superiores fora de domicílio estabelecido nos atos autorizativos das IES; estabelecimento de parcerias irregulares com entidades não credenciadas pelo poder público, convalidação irregular desses estudos e o registro de diplomas de cursos ofertados em circunstâncias irregulares.
A medida cautelar é um desdobramento de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das faculdades irregulares, instalada pela Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco (Alepe), que teve início com a denúncia de um grupo de estudantes do estado. Além da Faceopar, outras 26 instituições de ensino espalhadas pelo país sofreram a mesma sansão do Ministério.

Segundo o despacho do MEC, serão suspensos os serviços administrativos, como pedidos de abertura de novos cursos. As aulas continuam ocorrendo normalmente. Por isso, o Ministério sustenta que os alunos não serão prejudicados, mesmo com o processo de investigação ainda em andamento.

Em entrevista ao Jornal Correio do Povo, o diretor da Faceopar, Pedro Vilmar Beck Junior, afirmou que a Instituição foi alvo de má fé de um das faculdades que está sendo investigada pela CPI que usou indevidamente a imagem da Faceopar. “O Ministério Público Federal entrou em contato conosco e ajudamos no processo de investigação fornecendo toda a documentação necessária para o Ministério Público. Inclusive o juiz federal de Pernambuco fez o julgamento e nos absolveu”, afirmou o diretor.

Ainda de acordo com ele, foi constatado que a Faceopar não tinha nenhum envolvimento com a instituição que agiu de forma criminosa.

O diretor, também ressalta que os acadêmicos e a população não precisam se preocupar porque a direção tem total convicção de que isso não passou de um equívoco por parte do MEC, e que a Faceopar não tem nenhum envolvimento com essas práticas.



Fonte: Jornal Correio do Povo
Recomendamos para você:
 
VOLTAR AO INICIO
Copyright © 2013-2017 Cantu em Foco - O maior site de notícias da Cantu. Criado por: Cantu em Foco