sábado, 24 de junho de 2017

Homem denuncia agressão, é debochado pela polícia e acaba morto

O argentino Alfredo Tucumán, 28 anos, morreu nesta sexta-feira após oito dias internado num hospital da província de San Juan em virtude de ferimentos provocados por uma apunhalada no peito. A mulher da vítima, Claudia Moya (23), foi presa como principal suspeita do crime. As informações são do jornal local La Nación.
O caso de violência ganhou ainda mais repercussão na Argentina depois que familiares de Tucumán revelaram que a vítima chegou a ir a uma delegacia local para denunciar a mulher por agressão anteriormente. Na ocasião, porém, os policiais lhe teriam dito: "Não seja um maricón" - algo como marica, afeminado ou homossexual, em português. Ele acabou deixando o local sem prestar depoimento.
A mãe de Tucumán, que não teve o nome divulgado, disse segundo o jornal local Clarín que a nora costumava dar cabeçadas em seu filho e que um destes golpes lhe havia causado uma fratura no septo nasal. "Ela não está louca. É uma pessoa centrada, que planejou matá-lo", acusou.
Familiares e amigos do homem endossaram a versão da mãe de Tucumán e falaram que o casal tinha um histórico de conflitos e atos de violência. A chefe da vítima teria inclusive incentivado ele a denunciar a esposa ao vê-lo chegar para trabalhar com ferimentos. Ao seguir seu conselho, porém, acabou chamado de "maricón" pelos policiais.
Moya acompanhou Tucumán quando ele foi internado no hospital após ser apunhalado no peito na semana passada. Segundo ela, o ferimento foi fruto de um acidente enquanto ele tentava arrumar a maçaneta de uma porta com uma faca. A família do homem, porém, desconfiou e relatou à polícia os casos anteriores de agressão da mulher.
De acordo com informações do La Nación, outro jornal argentino, a versão de Moya se tornou ainda mais suspeita depois de o corte ter sido diagnosticado como muito profundo para um possível acidente como aquele. Além disso, exames apontaram lesões no rosto, no couro cabeludo e nas costas do homem.
Para completar, uma perícia foi realizada na residência do casal e encontrou as portas em perfeitas condições.
 Diante das evidências, Moya foi detida por ordem do juiz Benedicto Correa, acusada de homícidio. O La Nación afirma que ela está grávida de Tucumán, com quem havia oficializado a união há poucos meses. Os dois já eram pais de uma menina, e o medo de se afastar dela seria o motivo para a vítima não se separar da mulher apesar das agressões que sofria.
A divulgação do caso provocou uma "invasão" no perfil da suspeita no Facebook. Pessoas a chamam de "assassina" e cobram que ela fique muito tempo na prisão. "Você destroçou o sonho de um homem e de toda uma família", escreveu uma internauta.
Já Lujan Tucurman, irmã da vítima, usou a mesma rede social para postar uma homenagem: "Uma parte nossa se foi com você, e outra parte sua fica conosco. Não esperava que fosse assim. Te acompanhei até o último dia, e esta é a minha paz. Que Deus cuide de você enquanto nos espera aí em cima".
Recomendamos para você:
 
VOLTAR AO INICIO
Copyright © 2013-2017 Cantu em Foco - O maior site de notícias da Cantu. Criado por: Cantu em Foco