quinta-feira, 2 de março de 2017

Indiana de 24 anos é cremada viva após erro médico

Uma mulher indiana de 24 anos, identificada como Rachna Sisodia, foi queimada até a morte em uma pira funerária horas após os médicos terem erroneamente anunciado sua morte.


Seu prontuário afirmava que ela teria morrido de uma infecção pulmonar. Então, a família se preparou para cremar o corpo da jovem em uma região do estado de Uttar Pradesh. Seu marido, Devesh Chaudhary, de 23 anos, tomou posse do corpo durante a madrugada e levou-o a uma funerária a duas horas de distância do hospital, em Aligarh, onde começaram a queimá-lo às 8 horas na manhã.

No entanto, de acordo com relatos, alguém teria tirado a mulher da fornalha acreditando que ainda estivesse viva. Embora não tivesse demonstrado sinais vitais após isso, um exame post-mortem revelou a presença de partículas carbonizadas em sua traqueia e pulmões, o que indica que ela estava respirando no momento em que entrou no forno.

Um porta-voz da polícia local afirmou que “isso acontece quando alguém é queimado vivo. As partículas entram a partir da respiração”. No entanto, “se uma pessoa está morta, tais partículas não podem alcançar os pulmões ou traqueia e por isso os médicos concluíram que a morte teria sido causada não por infecção pulmonar, mas um choque por ter sido queimada viva”, explicou.

A polícia também disse estar levando em conta as acusações de Kailash Singh, tio de Rachna, que alega que a jovem teria sido sexualmente abusada pelo marido e outros 10 homens. Já o marido da vítima negou as acusações e afirmou que a família de Rachna estaria tentando adquirir sua propriedade por meio das acusações. Os médicos preservaram e entregaram à polícia um pedaço de osso para a realização de testes de DNA, mas até o momento os resultados ainda não foram disponibilizados.


Fonte: Jornal Ciência
Recomendamos para você:
 
VOLTAR AO INICIO
Copyright © 2013-2017 Cantu em Foco | A informação ao seu alcance. Criado por: Cantu em Foco