segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Empreendedores encontram ambiente propício nas instituições financeiras cooperativas

Com taxas mais justas e atendimento humanizado, Sicredi atrai micro e pequenas empresas
É unanimidade que a economia compartilhada chegou para ficar. Com modelos de negócio mais inclusivos e colaborativos, as empresas com essa mentalidade têm investido em inovação, foco no consumidor e na experiência para concorrer com gigantes de diversos setores. Um pouco desse cenário é visto nas instituições financeiras cooperativas, que, apesar de centenárias, têm no DNA um modelo de gestão participativa, onde cada associado ajuda a definir os rumos do negócio.
Um dos exemplos desse novo jeito de oferecer soluções financeiras é o Sicredi, a primeira instituição financeira cooperativa do Brasil, que tem ajudado os micro e pequenos empreendedores a alavancarem seus negócios. Partindo da premissa que o associado, como é chamado o correntista, é mais que um mero cliente, as cooperativas de crédito e investimento oferecem taxas mais justas e atendimento consultivo e humanizado, além de crédito e consultoria financeira para micro e pequenas empresas de todo País.
Por esses motivos, o Sicredi tem crescido mais de 20% ao ano, ampliando a rede de atendimento e se fixando em regiões estratégicas, como o estado de São Paulo - maior centro financeiro do País. Para se ter uma ideia, apenas em 2016, 17 agências foram abertas no Estado, totalizando mais de 120 pontos de atendimento em mais de 100 cidades, com destaque para a moderna agência da Avenida Paulista. Para reforçar ainda mais essa estratégia, a marca é uma das patrocinadoras da Feira do Empreendedor 2017, promovida pelo Sebrae-SP. O evento, que acontece entre os dias 18 e 21 de fevereiro, no Pavilhão Anhembi Parque, deve reunir mais de 150 mil pessoas. A Feira contará com palestras, consultorias de gestão e financeira, mostra de tendências, além de serviços com dicas sobre negócios e empreendedorismo.
De acordo com o Índice de Sobrevivência elaborado pelo Sebrae, apenas 67% dos negócios criados em 2014 conseguiram manter as portas abertas até dezembro de 2016. Entre as principais causas estão as altas cargas de impostos, a gestão ineficiente e a falta de crédito.
Nesse cenário, instituições financeiras cooperativas surgem como opção em relação aos bancos tradicionais para reduzir tarifas de movimentações financeiras de pessoas físicas e jurídicas. De acordo com Adilson Felix de Sá, gerente de Desenvolvimento de Negócios da Central Sicredi PR/SP/RJ, as tarifas custam em média 80% do custo de mercado, podendo chegar até a 50% do valor praticado por outras instituições financeiras. “A diferença é que o cooperativismo visa o desenvolvimento mútuo e não o lucro. Operamos com taxas mais baixas justamente por acreditar que os produtos financeiros não devem onerar os associados, mas sim permitir seu desenvolvimento”, comentou.
Esse perfil mais próximo foi justamente o que atraiu Thais Maria Tavares, proprietária da Premium Chocolates. Há quatro anos ela montou sua própria fábrica em São Paulo e atualmente emprega cerca de 15 pessoas. “Procurei apoio no Sebrae e uma das orientações que recebi foi migrar minhas operações financeiras para uma instituição financeira cooperativa. Me tornei associada do Sicredi e já consegui reduzir muito o custo da emissão de boletos, além de conseguir uma linha de crédito adequada ao meu negócio. Tudo isso com rapidez e assertividade”, analisou.
Essa será a segunda vez que a proprietária da Premium Chocolates participa da feira: “dessa vez vim melhor preparada. Investi em comunicação e contei com o apoio do Sicredi para ter os recursos necessários para imprimir folhetos e realizar a comunicação visual do estande da minha empresa”.
Operação colaborativa
Além do conceito de taxas justas exercidas pelo Sicredi, a participação é outro diferencial das instituições financeiras cooperativas. Tanto na gestão, que é democrática e transparente, como no compartilhamento dos resultados. De acordo com o diretor executivo da Cooperativa Sicredi Vale do Piquiri ABCD PR/SP, Moacir Niehues, a proximidade no atendimento e na participação da cooperativa trazem muitos benefícios, especialmente para micro e pequenos empresários. “Mais que um cliente, o associado é dono do negócio e pode opinar e participar da gestão da cooperativa. Com isso, oferecemos serviços realmente relevantes, além de manter os valores investidos na própria comunidade, gerando emprego e fomentando a economia local. Um modelo de negócio diferente, que consegue entregar um diferencial concreto ao usuário”, complementa.
Durante as assembleias, que reúnem centenas de pessoas, cada associado tem direito a um voto, para definir quais os rumos da sua cooperativa. E isso acontece anualmente, quando são definidas as ações do próximo ano fiscal, como por exemplo os investimentos e distribuição de lucro ao capital. “Literalmente, aqui o cliente é dono do negócio", comenta Moacir.
A principal diferença entre as instituições financeiras cooperativas e os bancos tradicionais é que, devido ao modelo de negócio (o correntista é também associado da cooperativa), conseguem distribuir o resultado (lucro) entre os associados, bem como oferecer as mesmas soluções do mercado financeiro a taxas mais adequadas. Em 2016, por exemplo, apenas as cooperativas Sicredi do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro geraram um resultado de R$ 354 milhões.
O crescimento, tanto dos associados como do Sicredi, é um indicativo de que o cooperativismo segue na direção certa e na contramão do mercado. O setor vem crescendo a uma média de 20% ao ano desde 2010, após o advento da Livre Admissão (Lei que permitiu a qualquer pessoa tornar-se associado de uma cooperativa de crédito e investimento). Em 2017, o Sicredi que conta com 1.500 agências em todo o Brasil e 3,4 milhões de associados, planeja abrir 25 novas agências no estado de São Paulo. No ano passado, nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro foram abertos 22 novos pontos de atendimento.
Presença nacional com atuação regional
O Sicredi contraria a tendência do mercado financeiro ao ampliar a rede física de atendimento. Outra prova de que o foco da instituição está no associado, é o fato de o Sicredi ser a única instituição financeira em mais de 180 cidades do Brasil. "Nós estamos focados na necessidade das comunidades e não nos interesses de um pequeno grupo de acionistas", ressalta Moacir Niehues. Para aqueles que preferem a comodidade da tecnologia, o Sicredi também oferece um completo Internet Banking e o aplicativo Sicredi Mobi, que oferecem a mesma experiência de atendimento, porém nos canais digitais.

Serviço: Feira do Empreendedor SEBRAE
Quando: 18 a 21 de fevereiro de 2017, das 10h às 21h
Onde: Pavilhão Anhembi Parque - Av. Olavo Fontoura, 1209- São Paulo – SP
Entrada franca
Recomendamos para você:
 
VOLTAR AO INICIO
Copyright © 2013-2017 Cantu em Foco | A informação ao seu alcance. Criado por: Cantu em Foco